Estudo da Salesforce mostra o comportamento dos consumidores nas datas comemorativas

71% dos clientes usam seus dispositivos móveis durante as compras em lojas físicas

Com o intuito de analisar o movimento de compras durante as datas comemorativas, a Salesforce desenvolveu o estudo Shopping-First Retailing. A pesquisa analisou o comportamento de 6.000 consumidores em seis países: Austrália, Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra e França. Além disso, o levantamento analisou o comportamento de compras digitais de 500 milhões de consumidores e 1,4 bilhão de visitas de comércio eletrônico em todo o mundo. A pesquisa também leva em conta dados de 200 milhões de casos de atendimento ao cliente, além das avaliações feitas por compradores à paisana em 70 lojas em Nova York, Londres e São Francisco.

Este relatório revela como os compradores estão interagindo, onde sentem maior aderência e o que seu comportamento pode significar para os varejistas. Essas tendências afetam todas as marcas e varejistas, independentemente do tamanho ou segmento, já que as escolhas dos clientes determinam cada vez mais como o varejo irá atuar.

Marcas x Varejistas x Marketplaces

Os consumidores foram questionados: em um cenário no qual os preços diretos da marca, no varejista e em marketplaces são exatamente os mesmos, por que você escolheria cada canal?

Entre os entrevistados, 60% apontaram a qualidade do produto como principal motivo de compra direto das marcas, 57% disseram que os serviços ao consumidor são os principais atrativos dos varejistas e para 56% os preços dos marketplaces são os motivadores de compra.

Imagem de três colunas: marcas, varejistas e marketplaces que mostram escritos os motivos pelos quais os consumidores mais fazem as compras

Os objetivos do consumidor final determinam por qual canal irá comprar, esteja ele buscando por preço baixo, um produto exclusivo ou por disponibilidade permanente. A exclusividade de produtos oferecida pelas marcas e a conveniência proporcionada pelos mercados estão reduzindo a vantagem competitiva dos varejistas, embora os compradores ainda procurem um bom atendimento ao cliente.

Marketplaces estão ganhando fidelidade e a segunda compra

Outro comportamento interessante apontado pelo estudo se refere à segunda compra. Para adquirir um produto pela primeira vez, 50% dos consumidores escolhem varejistas, contra 31% optando por marketplaces e 19% pela própria marca. O quadro se inverte quando se trata de repetir a compra. Nesse caso, 47% escolheriam os grandes marketplaces, contra 34% que elegeriam os varejistas.

Consulta online na loja física

O levantamento apontou que 71% dos consumidores usam seus dispositivos móveis durante compras nas lojas físicas, sendo 83% deles com idade entre 18 e 44 anos, número bem acima dos 62% registrados em 2017. Entre os motivos para utilizar os dispositivos estão: comparar preços (36%), pesquisar produtos (29%), tirar fotos do produto (28%) e ler um review do produto (25%). Esses dados mostram um comportamento curioso dos consumidores e mais um desafio para o e-commerce: captar esse cliente dentro de uma loja física.

Varejo rápido

A pesquisa descobriu que o varejo precisa ser rápido para atender às expectativas dos consumidores. É necessário prover jornadas de compras, transações e experiências que se movam na velocidade dos clientes: 69% dos consumidores dizem que é importante ou muito importante ver novos produtos cada vez que visitam a loja ou site.

Além disso, todos os meses são verificadas 75% de novas consultas de consumidores, o que mostra a velocidade com que os clientes estão descobrindo novos produtos e marcas. Outro dado interessante é que dentro dos 5% dos produtos mais vendidos nos sites de comércio eletrônico 59% mudam mensalmente. Isso mostra que os varejistas e as marcas precisam estar atentos a esse comportamento, analisar as pesquisas dos consumidores e oferecer os produtos que eles buscam em tempo real.

A pesquisa considerou marketplaces sites como: AmazoneBayAlibaba ou Etsy, que vendem mercadorias de várias marcas diferentes, de outros varejistas e de vendedores individuais. E como varejistas, foram consideradas empresas como WalmartTescoAldi ou Target, que vendem mercadorias de várias marcas diferentes.

Fonte: Digitals

9 Dicas de Marketing para Pequenos Empreendedores para 2019

O marketing digital é uma nova forma simples, rápida, segura e financeiramente atrativa para se fazer negócios. Se você é um pequeno empreendedor, tem que ler este artigo agora!

1 – Continue usando o bom e velho e-mail marketing

O e-mail chegou a ficar “esquecido” por algum tempo – mas, voltou com tudo e ainda é a forma mais usada das empresas chegar até os seus clientes.

O e-mail marketing nada mais é do que um padrão de conteúdo que é enviado para um grande número de pessoas (clientes ou potenciais clientes) de uma só vez.

Claro que há estratégias para isso… O fato é que se você não tem uma lista de e-mails, precisa começar a pensar nisso para usar o e-mail marketing de forma efetiva.

2 – As redes sociais não vão sair de moda tão cedo

Logo, você tem que continuar usando-as da forma certa.

Essas redes permitem a conexão entre empresa e cliente de forma direta.

No universo do empreendedorismo, essa é uma forma de marketing digital que mais causam dúvidas nos pequenos empresários – afinal, quando usá-las?

Realmente responder essa pergunta não é nada fácil, mas o melhor começo é considerar os seguintes itens: objetivos, planos, conteúdos, atualizações, feedbacks.

Ah, nunca se esqueça de monitorar suas redes e mídias sociais.

 

3 – Como está o seu blog?

Se você não tem um blog, já começou errado!

Você não precisa virar o blogueiro mais famoso do mundo – mas, há de considerar que esse é um canal muito interessante para se tornar relevante nos mecanismos de buscas da internet.

O blog é onde você vai divulgar informações importantes sobre algum tema.

E, nesse caso, você tem que estudar formas de ficar bem ranqueado, ou seja, de aparecer nas primeiras páginas do Google, Yahoo e outros sites que são usados como mecanismos de busca de palavras–chaves ou dúvidas.

 

4 – Ads (ou Links Patrocinados, como você queira)

Se nós estamos falando em estratégia de marketing digital, possivelmente esse será o primeiro termo que vem à sua cabeça, não é?

O Ads é uma forma de anúncio diferente dos anúncios tradicionais porque ele não tem o propósito de vender, inicialmente. A ideia central é a de “catalisar o tráfego”.

Nas palavras mais simples, podemos dizer que ele vai levar as pessoas (potenciais clientes) até o seu site – para de lá comprarem o produto ou o serviço.

 

5 – O funil de vendas – você precisa entender mais sobre isso!

Bom, considerando o Ads, que vai levar o seu cliente em potencial para o seu site, o que você deve fazer? Mostrar o seu produto e dizer para o leitor: compre-o? Claro que não!

Hoje em dia, muito se fala em funil de vendas… Que, sendo bastante simplista, funciona como uma isca para atrair o cliente para a compra.

Quer ver como funciona? O seu possível cliente entrou no seu site… Agora, você deve conseguir pensar em formas de fazê-lo entender sobre a importância do seu produto para a vida dele – sem citar o seu produto diretamente.

Entende isso?

E existem várias formas de conseguir isto – tudo vai depender da sua estratégia de marketing digital. O fato é que o Funil de Vendas tem que ser pensado seriamente para 2018.

 

6 – Repense sobre o que você está vendendo

Sim, essa dica tem tudo a ver com o marketing digital.

Na internet não podemos mostrar produtos como acontece nos folhetins de supermercados. A ideia central tem que ser a de vender os benefícios e não simplesmente os produtos.

A impressão do cliente tem a ver com a satisfação dele – isso inclui o atendimento, as mudanças, as melhorias, a vantagem competitiva e toda a presença na comunidade online.

 

7 – Esteja presente no mundo online – sempre!

Se você vai considerar o e-mail marketing, não vá pensando que é só enviar uma imagem lá e pronto – a mágica está feita. Nada disso.

Tanto nessa opção como nas redes sociais, no blog e em qualquer lugar, a empresa precisa estar presente. Isso tem a ver com defender a marca e saber lidar com o que está acontecendo no mundo digital.

Responda rápido, tenha assuntos interessantes e mostre conteúdo, sempre!

Ainda que sua empresa não seja tão reconhecida inicialmente, saiba que sua qualidade será vista durante suas divulgações.

 

8 – Comece a pensar sobre as redes Pinterest e Instagram

Essas são duas redes que se baseiam em imagens. Ambas são gratuitas e costumam ter muitos seguidores.

As plataformas já são usadas por cafeterias, restaurantes e lojas de todos os tipos. Mas, nem todo empresário considera essa opção – mesmo que deveria.

 

9 – Não se esqueça da imprensa nacional

Mesmo com o avanço da tecnologia, a imprensa ainda é uma boa forma de divulgar a sua empresa. Inclua comunicados nesses sites ou mesmo na parte mais tradicional dos meios de comunicação como forma de marketing.

Hoje em dia há várias ferramentas para o envio online de comunicados e releases.

 

Fonte: Digitalks